On the legitimacy of Nietzsche’s *The Will to Power*

nietzsche-profile[I wrote the following in 1999 in response to several people who wrote to me with objections to my and others’ use of The Will to Power in interpreting Nietzsche.]

Dear [ ]:

Every word in The Will to Power was written by Nietzsche in his notebooks of 1883-1888. Some of the notes were his working out various thoughts, and some were part of a work-in-progress he intended to entitle The Will to Power. Some are rough, some are polished; some are repetitive, some are brilliant and original. In many cases the notes contain new insights that are compatible with his published works, or they offer earlier formulations of themes in his published works, or they extend themes discussed in his published works. They are thus a must-read for a Nietzsche scholar.

Since they are notes in a notebook, however, one does have to be careful not to ascribe as much authority to them as to those works Nietzsche did publish, especially in cases where there is a tension between his notes and his publications. This does not mean that there is no value to reading the notes.

Elisabeth_Foerster-NietzscheIt is true that Nietzsche’s sister, Elisabeth Förster-Nietzsche, was the first editor of The Will to Power, and that she and her proto-Nazi acquaintances offered interpretations of them that stressed their affinities with National Socialist views.

This, however, should not disqualify the content of Nietzsche’s notes either. Nazi intellectuals interpreted and quoted extensively from every single book Nietzsche published, but we shouldn’t simply dismiss Nietzsche’s published writings for that reason. Instead we read Nietzsche ourselves and make our own judgments about how accurate or inaccurate the Nazi interpretations are.

About the Jews, for example: We know that Frau Förster-Nietzsche removed material that showed the other side of Nietzsche’s thinking about the Jews. But Nietzsche did write the words she actually published. So she’s a bad editor, and she made it harder for readers to judge accurately Nietzsche’s full views on the Jews.

But it’s still each reader’s responsibility to form his or her own judgment, and part of that means assessing the possible biases of editors and translators. Also, readers did and do have access to the vast majority of Nietzsche’s writings, most of which were published in his lifetime and with his own careful editing. So they could do their homework; Nietzsche’s occasional positive statements about the Jews were available to them.

will-power-nietzscheAlso, one need not read Frau Förster-Nietzsche’s edition. We have available later scholarly editions of The Will to Power, e.g., Walter Kaufmann’s translation and edition. Those editions do not include the interpretive essays Nietzsche’s sister and her acquaintances appended to their editions, and they do not use the same headings or follow the same organizational schemes except where later, non-Nazi-biased scholarship thinks appropriate.

So in my judgment, The Will to Power is a legitimate Nietzschean text, and one that both illuminates and extends our understanding of his previous works.

Sincerely,

_________________________________________________________________________

Related:
A 22-point summary of themes from Genealogy of Morals and Beyond Good and Evil.

My other posts and publications on Friedrich Nietzsche.

Posted in Philosophy | Tagged , | Leave a comment

Heidegger calling for “someone capable of instilling terror”

From Martin Heidegger’s lectures in the winter semester of 1929-1930 on “The Fundamental Concepts of Metaphysics.”

The Great War had ended over a decade before but, Heidegger argued, its world-historical significance must not be lost. So the professor is explaining to his students what Germany needs:

heidegger-seated“We must first call for someone capable of instilling terror into our Dasein again. For how do things stand with our Dasein when an event like the Great War can to all extents and purposes pass by without leaving a trace? Is this not perhaps a sign that no event, however momentous it may be, is capable of assuming this task if a man has not prepared himself for awakening in the first place?”

The remark is striking, as Heidegger joined the Nazi Party three years later. A hotly-debated question is still: to what extent his basic philosophy implicated in his politics and to what extent was the university professor was already promoting national-socialistic ideology prior to significant National Socialist electoral success?

Sources:
Quoted in William H. F. Altman, Martin Heidegger and the First World War: Being and Time as Funeral Oration (Lexington Books, 2012), p. 78. Originally in The Fundamental Concepts of Metaphysics, translated by William McNeill and Nicholas Walker (Bloomington: Indiana University Press, 1995) p. 172.

Related:
“Heidegger and World War One — Altman’s book.”

Posted in History, Philosophy | Tagged , | Leave a comment

Blamestorming and Environmental Problems (Part I) [new The Good Life column]

The opening of my latest column at EveryJoe:

“Some parts of the world really are environmental Hells. They are dirty and depleted, making them unhealthy and economically unsustainable. We can argue about the severity of various places’ problems, but I want to focus on another aspect of the debate: determining accurately the causes of the degradation so we can focus productively on finding solutions.

“Unfortunately, much public discussion is characterized by over-the-top rhetoric in combination with ignorance of the alternatives and a latching onto the first plausible hypothesis.

“If we ask Whom to blame?, the most commonly-cited culprit is The Greedy Nature of Man …” [Read more here.]

the-good-life-environment-blamestorming

Previous column in The Good Life series: No Reformation for Islam, Please.

Posted in The Good Life | Leave a comment

Kant and socialism, according to Cassirer

Cassirer,ErnstErnst Cassirer (1874-1945) was a leading neo-Kantian philosopher. He trained under Hermann Cohen (1842–1918), a founder and leader of the Marburg school of neo-Kantianism, which was perhaps the most dominant school of philosophy in the German academic world in the 19th century.

Here is Cassirer’s assessment of why Kant matters to the history of socialism:

“Within the movement of German neo-Kantianism the close connection between Kantian ethics and socialism was strongly emphasized by Hermann Cohen and Paul Natorp [1854–1924]. They pointed out that socialism was a necessary consequence of the Kantian categorical imperative and that the socialist movement was essentially a moral movement whose philosophic basis is best expressed in the Kantian moral philosophy.”

Source:
Ernst Cassirer, “Kant, Immanuel,” in Seligman and Johnson, Encyclopedia of the Social Sciences (MacMillan, 1932, volume 8), p. 541.

Related:
Mussolini and Kant on war and the sacrifice of individuals.
Friedrich Engels against liberal peace.
Was Kant an Enlightenment liberal?

Posted in History of Philosophy, Politics | Tagged , , , , | 1 Comment

Philosophy as a bunch of jibjab

A commentator at my site objects to my discussion of Existentialism and the meaning of life:

“In all honesty this is just a bunch of JibJab with really no actual true meaning funny how people waste years and thousands studying this irrelevant b***** go out side be outdoors live a little bit”

The Urban Dictionary defines “jib jab” as “a language usually used when a person is intoxocated, talkin trash, or just has no idea what he or she is talking about. 80% of the time jib jab is followed by an ass whoppin.”

My commentator’s eloquence and the dictionary’s warning remind me of William Wordsworth’s similar sentiments from two centuries ago:

The Tables Turned

Up! up! my Friend, and quit your books;
Or surely you’ll grow double:
Up! up! my Friend, and clear your looks;
Why all this toil and trouble?

The sun above the mountain’s head,
A freshening lustre mellow
Through all the long green fields has spread,
His first sweet evening yellow.

Books! ’tis a dull and endless strife:
Come, hear the woodland linnet,
How sweet his music! on my life,
There’s more of wisdom in it.wordsworth

And hark! how blithe the throstle sings!
He, too, is no mean preacher:
Come forth into the light of things,
Let Nature be your teacher.

She has a world of ready wealth,
Our minds and hearts to bless—
Spontaneous wisdom breathed by health,
Truth breathed by cheerfulness.

One impulse from a vernal wood
May teach you more of man,
Of moral evil and of good,
Than all the sages can.

Sweet is the lore which Nature brings;
Our meddling intellect
Mis-shapes the beauteous forms of things:—
We murder to dissect.

Enough of Science and of Art;
Close up those barren leaves;
Come forth, and bring with you a heart
That watches and receives.

_______________________________

So on this fine spring day I am conflicted. Both nature and several unread books call sweetly to me. Decisions, decisions …

Posted in Philosophy, Poetry | Tagged , | 2 Comments

A liberdade de expressão está morta nas universidades?

willbanner-620x350

Tempos difíceis para a liberdade de expressão.

Há um século, a Alemanha era uma nação autoritária. O Kaiser Guilherme II estava presidindo as forças da nação na 1º Guerra Mundial, enquanto o jovem Adolf Hitler estava trabalhando para ser ele o comandante das forças da nação na 2ª Guerra Mundial. Ao mesmo tempo, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos eram refúgios dos ideais liberais.

Ao que parece, essas nações decidiram inverter papéis no que concerne a liberdade de expressão. Neste ano, as autoridades alemãs decidiram permitir a reimpressão da obra Mein Kampf (Minha Luta) [ver também Republicar “Mein Kampf” é a decisão correta?], de Adolf Hitler. Mas, simultaneamente, o governo britânico ordenou suas universidades a policiarem ideias extremistas dentro de seus limites territoriais. E com a época de formaturas se aproximando nos Estados Unidos, podemos esperar outra rodada de “desconvite” aos paraninfos por causa da demanda dos estudantes universitários de não serem obrigados a ouvir coisas fora de sua zona de conforto.

Vamos analisar as novas diretivas do governo britânico. Leia você mesmo o documento “Prevent Duty Guidance” no site de sua majestade, o governo (ou veja essa versão em PDF — em inglês) — especialmente, as páginas 20-23, as quais focam nos deveres especiais da educação superior. Ou você pode confiar no resumo que fiz abaixo:

O temor atual do governo britânico é o terrorismo, especialmente do tipo islâmico, e o grande número de jovens que se tornaram radicais enquanto estavam na universidade. Então, o governo decidiu que os estudantes em instituições de ensino superior agora necessitam de proteção extra contra ideias extremas. Isso irá, como o documento sugere, requerer algum tipo de “interação” com o compromisso tradicional das universidades para com a liberdade de expressão.

  • Em primeiro lugar na lista de preocupações do governo estão os palestrantes convidados que podem expor os estudantes a visões radicais. Orientações sobre quem convidar e quais condições impor aos convidados serão apresentadas em um futuro próximo.

  • Não obstante, os estudantes também podem ser influenciados por estudantes já radicais em eventos estudantis e “por meio de contato pessoal com outros colegas e por meio de atividades nas redes sociais”. Dessa forma, o governo instiga as universidades a “reconhecerem esses sinais” e aprenderem como responder.

  • Computadores e outros dispositivos não devem ser ignorados. A TI pode ser utilizada para acessar material perigoso ou para fins terroristas, de forma que as universidades “deveriam considerar o uso de filtros como parte de uma estratégia geral de combate ao terrorismo”.

  • Em uma frase que aparece diversas vezes, o documento enfatiza que o alvo não é “somente o extremismo violento, mas também o não violento”.

  • Isso requererá o treinamento do quadro de funcionários, os quais são, entre outras coisas, responsáveis por “compartilhar informação sobre indivíduos vulneráveis”.

  • Para gerenciar tudo isso, o governo recomenda que as universidades estabeleçam um “ponto único de contato” e que consultem “coordenadores” apontados pelo governo para saberem se estão fazendo um bom trabalho.

  • O documento também inclui um lembrete de quem está pagando grande parte da conta (o governo britânico), isto é, quem é que manda.

  • E um último aspecto: o Secretário de Estado monitorará as universidades “para verificar seu nível de cooperação” de formas a serem confirmadas posteriormente.

O que poderia dar errado? (Talvez os leitores da obra Harry Potter e a Ordem de Fênix, de J. K. Rowling já sabem da história: o ministério enviará Dolores Umbridge para Hogwarts).

Em primeiro lugar, vamos tratar de uma questão importante, porém secundária — o uso regular no documento da palavra ambígua “extremismo”, a qual é com frequência um eufemismo para “posições firmes com as quais eu discordo”.CollegeCensor

Definitivamente, o extremismo não é o problema. Algumas ideias e ações extremas são verdadeiras, importantes e saudáveis: extremismo na higiene enquanto um cirurgião se prepara para uma operação, extremismo no consumo de comidas saudáveis e ao evitar venenos, e extremismo contra a pedofilia. O problema do terrorismo é o problema das ideias falsas e destrutivas, não das ideias extremas.

Outra questão importante, porém secundária: a inclusão de formas violentas e não violentas de extremismo por parte do governo. O que é extremismo não violento? Mahatma Gandhi era extremo com respeito à não violência. Suas ideias são consideras suspeitas? É claro que não! — dizem alguns — Não seja ridículo! Não queremos banir Gandhi! Contudo, quem realmente sabe quais serão os limites? Devido à linguagem burocrática do documento, devemos esperar até que os coordenadores apontados pelo governo decidam nos dizer.

Outra questão secundária: os lobbies dos interesses especiais já começaram a operar e, devido a um tecnicismo, os grupos estudantis das universidades de Oxford e Cambridge tem uma isenção especial (um colega recordou que os espiões comunistas Philby, Burgess, Blunt e Maclean foram recrutados em Cambridge, portanto, não está claro quão efetiva será tal isenção). Mas, é claro, foi a politicagem que levou à isenção das universidades de elite, e não princípios nobres.

No entanto, o ponto principal em resposta aos “Prevent Duty Guidelines” diz respeito aos princípios nobres.

O documento faz referência “aos valores britânicos fundamentais de democracia, do estado de direito, da liberdade individual e do respeito mútuo e tolerância para com aqueles que têm convicções e crenças religiosas diferentes”. Excelente — são exatamente esses valores que estão em jogo.

Contudo, eles não podem ser preservados por doutrinação, medidas parciais, ou ignorância dos seus inimigos. Nossa melhor defesa da democracia, liberalismo e tolerância consiste de cidadãos bem educados, isto é, aqueles que conhecem o que tais valores significam e do que dependem — e que conhecem os melhores argumentos dos oponentes da democracia, do liberalismo e da tolerância.berkeley-free-speech-movement

Especialmente no contexto da universidade, a educação requer comprometimento aos princípios da liberdade de expressão e de debate. Ao tentar limitar o escopo de ideias em vez de estendê-lo, o governo britânico está implicitamente admitindo que tem pouca confiança que suas melhores mentes possam superar as ideias de terroristas em um debate livre — mesmo dentro de suas próprias universidades.

Esta pode ser uma preocupação genuína. Ainda assim, os oficiais britânicos colaborariam muito mais com a democracia por meio da releitura de sua trindade de Johns — Milton, Locke e Mill — três filósofos cuja defesa de um vigoroso e aberto liberalismo, especialmente no pensamento e no debate, foi essencial para tornar a Grã-Bretanha em uma nação próspera. As obras Areopagitica de John Milton, A Letter Concerning Toleration (Uma carta sobre a tolerância) de John Locke e o segundo capítulo da obra On Liberty (Sobre a liberdade) de John Stuart Mill são lições eternas sobre como impulsionar sociedades livres.

Nós também devemos lembrar que, por toda a sua história, a civilização liberal teve que lidar com uma oposição ideológica poderosa. Platão, Agostinho, Hobbes, Rousseau, Hegel, Marx, Nietzsche e Heidegger — todos eles são pensadores extremos implicados em vários níveis, em extremas ideologias, e práticas extremamente violentas. Não obstante, devemos le-los e entende-los. Não existem atalhos.

Então, no combate ao último inimigo, o Islã politizado, teremos mais sucesso ao encorajar os estudantes a lerem os escritos islâmicos, por exemplo, a obra Milestones de Sayyid Qutb´s (como farei nesse outono em meu curso Filosofia da Religião).

Os oficiais do “Prevent Guidance Compliance” futricando e censurando instituições de educação superior podem levar somente na direção do fracasso — a universidades que formarão uma geração inteira de cidadãos ignorantes das ideias inimigas e incapazes de argumentar de forma eficiente contra elas.

Séculos atrás, os britânicos nos ensinaram a viver livremente. Eles podem novamente encontrar uma forma de derrotar ideias inimigas — de forma aberta, limpa e firme.

* * *

hicks-stephen-2013“A liberdade de expressão está morta nas universidades?” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Russ Silva. Artigo Original no “The Good Life”. Visite EveryJoe.com para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo e Nietzsche and the Nazis.

Posted in Free Speech and Censorship | Tagged , , , | Leave a comment

Heine on forgiving one’s enemies, but not too soon

heineheinrichAn amusing line from Heinrich Heine (1797-1856), the great German essayist:

“One should forgive one’s enemies, but not before they are hanged.”

The line is rhetorically similar to Augustine’s “Give me chastity, oh Lord, but not yet,” from Book 8 of Confessions.

Posted in Ethics | Tagged | Leave a comment

Republicar “Mein Kampf” é a decisão correta?

Hitler-620x350

As autoridades alemãs permitirão a reimpressão da obra Mein Kampf (tradução oficial, Minha Luta) de Adolf Hitler, após décadas de censura.

Pessoas decentes podem argumentar que o livro é muito perigoso para ser publicado. Mas o fato é que Mein Kampf é muito perigoso para não ser publicado.

O grande medo é que as ideias de Hitler não estejam mortas e que seu livro precipite outro movimento social terrivelmente patológico. O nacionalismo e o socialismo ainda apelam a muitos. As combinações das duas ideologias atraem novos adeptos a cada dia na Europa e ao redor do mundo (veja O renascimento do nazismo na Europa — não é somente racismo).

Mein Kampf está disponível em muitas edições, em muitos idiomas e até mesmo online. Portanto, o furor relativo a sua reimpressão está mais ligado aos próprios alemães: eles podem lidar com isso?

Uma de muitas piadas antigas diz que um alemão perguntou ao outro: “Quantos poloneses são necessários para trocar uma lâmpada?” O outro alemão respondeu: “Eu não sei. Vamos invadir a Polônia para descobrir!”.mein-kampf

É sempre engraçado cutucar a reputação histórica alemã. Mas já se passaram três gerações desde o fim da II Guerra Mundial. Mudanças culturais importantes ocorreram na Alemanha com respeito ao militarismo, autoritarismo, antissemitismo e outros elementos existentes nos ideais nacional-socialistas. Existe muita evidência de que a Alemanha de hoje está muito acima da média em civilidade e decência. Isso significa que o “controle cultural” pós-nazismo pode ser abolido.

Mesmo além do caso particular da Alemanha, existe um ponto importante e geral sobre a proibição de, até mesmo, as ideias mais repulsivas: a censura enfraquece nossa habilidade de combatê-las.

Levi Salomon, palestrando para o Jewish Forum for Democracy and Against Anti-Semitism (Fórum Judaico para a Democracia e Contra o Antissemitismo, tradução livre) sediado em Berlim, opõe-se à reimpressão do livro Mein Kampf: “Esse livro está fora da lógica humana”.

Talvez isso seja verdade. Mas o livro não está fora da experiência humana. Nós devemos entender a “lógica” das crenças nacional-socialistas, não importando o quão ilógicas possam ser na realidade. Estas crenças continuam a ter um apelo psicológico e social poderoso para muitos, então é crucial que toda a geração saiba exatamente quais são, por que atraem tantas pessoas — e como combatê-las.

Os nazistas não eram somente alguns caras loucos que, por um golpe de sorte, chegaram ao poder. Por muito tempo uma visão caricatural do nacional-socialismo tomou conta da opinião pública.

Mas considere uma questão. Anos antes de os nazistas tomarem o poder, 3 vencedores do prêmio Nobel — Johannes Stark, Gerart Hauptmann e Philipp Lenard — apoiavam os nazistas.

Também antes da chegada dos nazistas ao poder, muitos intelectuais com doutorado das melhores universidades alemãs escreveram livros que apoiavam a ideologia nacional-socialista. Entre eles estavam o historiador Dr. Oswald Spengler, que publicou seu best-seller The Decline of the West (em português, A Decadência do Ocidente) em 1918. Spengler era o mais famoso intelectual alemão da década de 1920. O teórico jurista Dr. Carl Schmitt escreveu livros que ainda são reconhecidos como clássicos do século XX. O teórico e cientista político Moeller van den Bruck publicou The Third Reich (O Terceiro Reich) em 1923, o qual foi sucesso de vendas durante a década de 1920. E o filósofo Dr. Martin Heidegger, considerado por muitos como o detentor da mente filosófica mais original do século, apoiou ativamente os nazistas tanto na teoria como na prática.Nazi-Swastika-Austria

Muitos dos gênios apoiadores do nacional-socialismo eram extremamente cultos e se consideravam discípulos de George Hegel, Karl Marx e Friedrich Nietzsche — e como responsáveis pelo trabalho vital e idealista de aplicação daquelas filosofias abstratas à política do mundo real.

Então, o problema não é somente Adolf Hitler. E se formos censurar todos os escritos que levaram ao nazismo, a lista se torna longa.

Também é um fato relevante que muitos milhões de alemães votaram no Partido Nazista. Na decisiva eleição democrática de 1933, os nazistas venceram com 43% dos votos — mais que o total dos outros três partidos combinados. (Em segundo lugar, estavam os Socialistas e em terceiro, os Comunistas, o que nos fala muito do clima político e intelectual da época.)

O sucesso eleitoral dos nazistas não foi também produto de um conjunto de ideias contidas somente em livros. Na construção do seu movimento, os nazistas utilizaram princípios modernos de marketing, logística e administração. Eles aplicaram novas teorias da psicologia e da sociologia para formar um movimento central de centenas de ativistas devotos, expandindo-se a um movimento de massa de milhões de seguidores. Não obstante, não queremos censurar livros relacionados à logística aplicada, marketing ou psicologia social.

A seguir são propostas algumas perguntas difíceis: Por que tantos intelectuais concordavam com as ideias nacional-socialistas? Por que tantos voluntários, doadores e profissionais devotaram suas energias para a criação de um notável movimento político? Por que milhões de cidadãos alemães votaram — com frequência de forma entusiasta — nos nazistas? Eram todos simplesmente estúpidos / depravados / insanos?

Não, não eram. Gostando ou não do fato, o nacional-socialismo incorpora uma profunda filosofia de vida — e é isso que explica seu poder. Pode-se argumentar que a filosofia nazista não é lógica e racional. Eu concordo. Ainda assim, poucas filosofias são. Também pode-se argumentar que o nazismo, se seguido à risca, leva à psicose. Concordo novamente. Mesmo assim, isso se aplica também a muitas outras filosofias.

Mas tampouco é lógico, racional ou sadio ignorar um conjunto de ideias que continua a inspirar movimentos ao redor do mundo. Suprimir ideias perigosas é muito mais perigoso que lutar contra elas abertamente.nuremberg_party_rallies_gallery_main_2

Uma sociedade livre pode funcionar somente se a maioria de seus membros entender quais os princípios que a norteiam e a razão pela qual são melhores que as alternativas. Isso pressupõe que eles sabem quais são alternativas, obviamente.

Portanto, não existem atalhos em nossa educação cultural continuada. Todas as gerações devem discutir e debater as grandes ideias — verdadeiras ou falsas, conhecidas e possíveis, saudáveis ou perigosas — tornando-se intelectualmente preparadas para defender e expandir a civilização liberal.

Às vezes, o impulso à censura foca no simbolismo de permitir que livros malignos sejam publicados. Não censurar Minha Luta, por exemplo, é uma declaração, pelas autoridades, de que consideram as ideias nacional-socialistas dentro do limite da opinião aceitável.

Contudo, nós deveríamos lembrar que a sociedade livre rejeita a ideia de que é função das autoridades decidirem quais opiniões são aceitáveis. Esse é nosso trabalho, de cada um de nós, individualmente.

Em sua opinião dissidente em um caso clássico de censura americana, o juiz Potter Steward fez uma observação pertinente: “A censura reflete a falta de confiança de uma sociedade em si mesma”.

Existe um importante simbolismo intrínseco ao encorajamento da livre expressão: nós podemos lidar com isso.

Então, vamos fortalecer tal autoconfiança. Nós temos a inteligência e o caráter para lidar com os Hitlers potenciais, assim como seus talentosos teóricos.

* * *

hicks-stephen-2013“Republicar “Mein Kampf” é a decisão correta?” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Russ Silva. Artigo Original no “The Good Life”. Visite EveryJoe.com para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo e Nietzsche and the Nazis.

Posted in Free Speech and Censorship, History, Politics | Tagged , | Leave a comment