The Revival of Nazism in Europe — It’s Not Just Racism [The Good Life]

[Originally published at EveryJoe.com.]

An old specter is again haunting Europe — neo-fascist and neo-Nazi movements and political parties are returning to prominence.

This feature in Britain’s The Guardian notes an increase in attacks on Jews in France, Germany, and the Netherlands. Further east and south Nazi-like parties are surging in the polls in countries like Hungary and Greece, as this New York Times piece reports, accompanied by their supporters’ many verbal assaults and physical beatings on immigrants from Asia and Africa.

It is all disgusting and disheartening. But there are serious forces at work that those of us who advocate freedom, individualism, and tolerance must grasp in order to be able to respond accurately and decisively.

Much of the commentary focuses on the racism. In Greece, for example, supporters of the Golden Dawn party, which now has elected members sitting in parliament, have expressed their desire to “rid the land of filth.”

More precisely, though, the commentary should focus on the ethnocentrism. The hostility sometimes targets individuals for their skin color, but more often it is focused on religion, nationality, and financial status, all of which cut across many racial categories. Seeing individuals as interchangeable members of racial groups is part of the problem, but treating individuals primarily as members of ethnic groups is another major part. Biological and cultural collectivism are both in play.

But much of the commentary, unfortunately, misses another huge part of the phenomenon. One hint of this is that the neo-fascist parties are typically labeled as “far right” or “hard right” parties, as the writers for The Guardian and The New York Times do. And this is where the widely-discredited left-right way of presenting the political spectrum and a lack of research get many commentators into trouble.

Take a look at this Golden Dawn manifesto, for example, as stated by one of its articulate advocates. Right there, in plain English and Greek, Point 8 states:

“The state should have control over private property so that it is not dangerous for the survival of the People or can manipulate them. The economy should be planned so that it serves the national policy and ensures the maximum self-sufficiency without dependence on international markets and control of any multinational companies.”

Packed into that are four key sub-points:
1. State control of private property.
2. A government-planned economy.
3. Isolation from international markets for capital, goods, and talent.
4. Foreign companies not allowed or subject to extra controls.

All of those are profoundly anti-capitalist and part of the long tradition of socialism — the other socialism, that is: National Socialism. As the manifesto’s authors put it in Point One, Golden Dawners are “opposed both to communist internationalism and universalism-liberalism.”

“National Socialism” of course takes us back to Adolf Hitler and Benito Mussolini and forces us to reflect on the lessons of history. That history is alive in Greece, as Golden Dawn supporters gave Hitler salutes and sang the Horst Wessel song outside the parliament in Athens, and as the #HitlerWasRight hashtag now enjoys lively Twitter usage. (And, parenthetically, as Hitler’s Mein Kampf was a best-seller in Turkey in 2005.)

A particular notion of human identity and a particular notion of economics are both important to national socialism. And according to its supporters, there are clear and important connections between the two. We might disagree, but to understand them we cannot ignore the persistence of that packaging and its continued popularity.

Go back to 1920 when the German Worker’s Party, as it was then called, and its leader Adolf Hitler announced their new program and name-change to the National Socialist German Workers’ Party. The NSDAP program listed 25 points: 14 of the 25 points itemize economically socialist demands. These include the nationalization of industries, the state-confiscation of lands, government-run welfare, retirement, education, and healthcare, the abolishing of charging interest and stock market speculation, and so on.

In speeches and pamphlets, Hitler and Goebbels regularly attacked free-market capitalism and endorsed socialism.

“We are socialists, we are enemies of today’s capitalistic economic system for the exploitation of the economically weak, with its unfair salaries, with its unseemly evaluation of a human being according to wealth and property instead of responsibility and performance, and we are all determined to destroy this system under all conditions.” That’s Adolf Hitler in a 1927 speech.

“The worker in a capitalist state — and that is his deepest misfortune — is no longer a living human being, a creator, a maker. He has become a machine. A number, a cog in the machine without sense or understanding. He is alienated from what he produces.” That’s Joseph Goebbels in a 1932 pamphlet, with rhetoric inspired directly from one of his intellectual heroes, Karl Marx.

So, yes, the Nazis were racist and ethnocentrist, but they were also socialist. (Commercial advertisement: I discuss the socialism of national socialism in detail in my Nietzsche and the Nazis documentary and book.)

The same holds for the fascist variant. Benito Mussolini was an orthodox socialist of the Marxist variety from his teen years until his 30s. He joined the Italian Socialist party, joined with unions to organize the workers, and wrote pamphlets urging violent revolution.

World War I and a reading of Friedrich Nietzsche triggered Mussolini’s break with Marxism. He was struck by the intense nationalistic fervor the war wrought: Humans are moved most, Mussolini judged, not by workers-of-the-world class fellowship but by their ethnic identity as Italians, Germans, and Russians. So the socialist cause had to be recast in nationalistic terms to be successful in Italy.

What Mussolini took from his reading of Nietzsche was that socialism could not wait for the masses to rise up — it required an iron-willed leader to impose it top-down.

So Mussolini’s fascism was to be socialism for Italians, just as Hitler’s Nazism was to be socialism for Germans. Here’s Mussolini in 1932: “As regards the Liberal doctrines, the attitude of Fascism is one of absolute opposition both in the political and in the economical field” (my emphasis added).

Golden Dawn and the others are the ideological grandchildren of Hitler and Mussolini. There is an organic connection between the fascism/nazism of the early twentieth century and the fascism/nazism of the early twenty-first. Its advocates have always taken both the nationalism and the socialism seriously.

That is to say, they take collectivism seriously. Racism and ethnocentrism are collectivism applied to human identity: You are not primarily an individual, they say, but a member of a group. And socialism is collectivism applied to human action: You are not an economic free agent, it says, but an asset belonging to society. An effective response to the sorry phenomenon of neo-fascism in Europe must target both elements.

The antidote to collectivism is individualism: Individuals are primarily individuals, and they should judge themselves and others primarily in terms of their individual beliefs, character, and actions. And individuals are free agents who should be free to chart their own courses economically and in life generally.

* * *

Stephen Hicks is the author of Explaining Postmodernism: Skepticism and Socialism from Rousseau to Foucault and of Nietzsche and the Nazis. He blogs at www.StephenHicks.org. For future columns on The Good Life, feel welcome to send your philosophical questions and moral dilemmas to him at ProfessorHicks@EveryJoe.com.

Hitler and the Death of Free Speech

My article was published recently at The Savvy Street. savvy-street-hitler

It was first published as two separate columns in The Good Life series as “Is Republishing Hitler’s Mein Kampf the Correct Decision?” and “Is Free Speech Dead in Universities?”

The articles were also translated into Portuguese by Matheus Pacini as “Republicar Mein Kampf é a decisão correta?” and as “A liberdade de expressão está morta nas universidades?”

Quão esperto e versado era Adolf Hitler?

hitlerreading-620x350

Há exatamente um século, Adolf Hitler estava lutando na I Guerra Mundial. Ele era um bom soldado — recebeu a promoção ao posto de cabo, foi ferido duas vezes, e ao final, condecorado com seis medalhas. E com ele durante a guerra estavam os escritos do filósofo Arthur Schopenhauer.

A imagem de Hitler lendo Schopenhauer é surpreendente, já que uma descrição popular de Hitler é a de um forasteiro semialfabetizado e ligeiramente insano que, de alguma forma, teve sorte e por meio de diversas manobras políticas, chegou ao poder na Alemanha. Certamente, depois da devastação da II Guerra Mundial e os horrores do Holocausto, é tentador pensar que os seus idealizadores deviam estar beirando à loucura, descartando a possibilidade de que pessoas instruídas pudessem ser responsáveis.mein-kampf

Mas se queremos entender perfeitamente as causas do Nacional Socialismo e outros horrores, temos que considerar uma possibilidade perturbadora: talvez os seus idealizadores, como Hitler e seus cúmplices, podiam ser muito inteligentes, bem-educados e se considerarem nobres idealistas. “Livros, livros, sempre livros!”, escreveu August Kubizek, amigo de Hitler em sua juventude. “Eu simplesmente não consigo imaginar Adolf sem livros. Ele tinha pilhas e pilhas de livros em sua casa. Ele sempre tinha um livro debaixo do braço, onde quer que fosse”.

Ademais, de acordo com Kubizek, Hitler tinha cadastro em três bibliotecas na cidade austríaca de Linz, depois da guerra, e gastou muito de seu tempo na biblioteca do tribunal dos Habsburgos em Viena. “Os livros eram o seu mundo.” O fenômeno de homens e mulheres jovens que se tornaram defensores da violência política não é novidade. Considere esses exemplos geograficamente variados:

  • Saloth Sar, também conhecido como Pol Pot, o ditador genocida do Camboja, era um estudante regular, mas recebeu parte de sua educação em Paris e, no retorno ao Camboja, lecionou literatura francesa e história em uma faculdade particular.

  • Abimael Guzmán, líder do grupo terrorista Sendero Luminoso, escreveu uma dissertação sobre Kant e tornou-se professor de filosofia em uma universidade peruana.

  • Osama bin Laden — que se formou em Engenharia Civil na Arábia Saudita — leu os trabalhos do teólogo Seyyid Qutb. Enquanto na graduação, participou regularmente das palestras de Muhammad Qutb, que era o tradutor e editor da obra de seu irmão Seyyid, assim como professor de Estudos Islâmicos.

  • E Josef Goebbels frequentou cinco das melhores universidades da Alemanha e recebeu seu doutorado em filosofia pela Universidade de Heidelberg.

Então, vamos retornar a Hitler e testar outra hipótese:

Em dado momento, Adolf Hitler era jovem, inteligente, idealista e ambicioso. Mas quando jovem, ele incorporou um conjunto de premissas que pareciam plausíveis, mas que eram profundamente equivocadas. Dali em diante, seu ímpeto e suas capacidades o levaram logicamente ao longo de um caminho de resultados terrivelmente destrutivos.hitler-reading-newspaper

Todas as evidências mostram que Hitler não somente colecionava livros, mas que era um leitor sério e sistemático. De acordo com o professor Ambrus Miskolczy, autor do livro Hitler´s Library (A Biblioteca de Hitler, tradução livre), publicado pela Central European University Press em 2003, os livros de Hitler mostram muito uso sistemático e destacado de lápis coloridos, com cores diferentes para indicar concordância ou discordância.

E ele lia sobre diversos temas: 1) Filosofia: os trabalhos de Kant, Hegel, Marx e Nietzsche; 2) História: admirava Grécia e Roma como “berços da cultura”; 3) Economia e 4) Estratégia Militar; e 5) cultura: amava música (especialmente Wagner), arte (especialmente Rembrandt) e Arquitetura.

Devido a sua grande veneração por livros e intelectuais, Hitler acumulou uma grande biblioteca pessoal durante os anos 1920. Especialmente quando os royalties oriundos da venda de Mein Kampf (1925) começaram a chegar, ele foi capaz de se dedicar seriamente a sua coleção. Quando ele chegou ao poder na década de 1930, dignitários estrangeiros sabiam de sua paixão e o presenteavam com livros, incluindo um conjunto de volumes sobre a obra de Johann Gottlieb Fichte.

E Hitler leu — os vários volumes da obra de Fichte contêm “uma verdadeira tempestade de sublinhados, pontos de interrogação, pontos de exclamação e notas de rodapé que varrem centenas de páginas impressas de densa prosa teológica”, de acordo com o historiador Timothy W. Ryback, autor do livro Hitler’s Private Library (A Biblioteca Esquecida De Hitler), escrevendo no The Atlantic.

É claro, pode ser que Hitler lia muito, mas interpretava mal as visões dos grandes pensadores. Quantidade não implica qualidade. Uma observação justa, mas temos de perguntar qual tipo de nível de excelência interpretativa deveríamos esperar de políticos e ativistas. Quão boa foi a compreensão de Maximilien Robespierre no que tange à obra de seu guru intelectual, Jean-Jacques Rousseau? Quão erudito foi Thomas Jefferson em comparação ao seu grande herói intelectual, John Locke? Vladimir Lenin — que também lia e escrevia copiosamente — interpretou incorretamente os escritos de Karl Marx?

O ponto principal é que é sempre uma má estratégia subestimar os seus adversários. E especialmente hoje com a crescente popularidade de movimentos e ideias nacional-socialistas, nós permanecemos vulneráveis se não os compreendermos bem. É muito fácil descartar uma ameaça ao pensar que nossos adversárias como ignorantes ou perversos. Na maioria das vezes, não o são.hitler-viewing-art

É muito mais difícil encarar nosso inimigo no seu auge — e reconhecer que ele é com frequência muito inteligente e se considera comprometido com o bem.

É também verdade que muitas pessoas acreditam que as ideias filosóficas são muito abstratas para serem de relevância prática. Muitos acreditam que os intelectuais são indivíduos que, no máximo, podem estar mal orientados. E muitos sentem que a filosofia dá muito trabalho e, portanto, estão inclinados a deixar o seu estudo para os outros e esperar que façam bom uso dele.

Mas: se a leitura de Hitler de alguns dos grandes pensadores o levou a adotar suas visões e aquelas visões contribuíram para o nacional-socialismo, então é importante para nós conhecermos quais são aquelas visões. Para evitar a repetição do nacional-socialismo — ou qualquer movimento autoritário — é necessário conhecer as suas causas e como combatê-las. Se focarmos somente em algumas das causas — problemas diplomáticos ou disputas econômicas, por exemplo — permaneceremos vulneráveis. E toda a evidência sobre os nacional-socialistas aponta que são sérios sobre suas ideias e que estão comprometidos a colocar em prática as formas de pensar que aprenderam dos grandes pensadores que leram.

Vamos, então, parar de utilizar aspas sempre que nos referirmos às visões de Hitler e os nazistas: seus “intelectuais”, sua “filosofia”, sua “arquitetura”, seus “argumentos”, e assim por diante. Vamos tomar seriamente o conjunto de ideias e ideais que levam a resultados terríveis, e vamos desenvolver melhor as ideias e ideais necessários para combatê-lo.

Por onde começar?

Talvez por aqui: quando alguns nomes se repetem com frequência — como os nomes de Immanuel Kant, Johann Fichte, George Hegel, Karl Marx e Friedrich Nietzsche — na lista de leitura e nos escritos dos maiores ativistas que se comprometeram com a violência política, então é importante que haja o compromisso pessoal a tornarmo-nos mais letrados em filosofia.

* * *

hicks-stephen-2013“Quão esperto e versado era Adolf Hitler?” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Vinicius Cintra. Artigo Original no “The Good Life”. Visite Publicações em Português para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo e Nietzsche and the Nazis.

The man who spared Hitler’s life in WW I

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Here is Henry Tandey of Warwickshire, UK, the most highly-decorated private in World War One.

The following link is to an intriguing “What-if history” anecdote about Tandey, who crossed paths with Adolf Hitler in the war and decided not to kill him.

[Image source: “Pte Tandey VC DCM MM” by Richard Harvey (Regimental Archivist), Duke of Wellington’s Regimental Headquarters, Halifax, England. Licensed under copyrighted free use via Wikimedia Commons.]

On Hitler’s degree of intellectualism

I was struck by this reflection on the history of philosophy, made by Adolf Hitler, who read voraciously when young and especially during his prison time in the 1920s:

“In the Great Hall of the Linz Library are the busts of Kant, Schopenhauer and Nietzsche, the greatest of our thinkers, in comparison with whom the British, the French and the Americans have nothing to offer. His complete refutation of the teachings which were a heritage from the Middle Ages, hitler-younger-100pxand of the dogmatic philosophy of the Church, is the greatest of the services which Kant has rendered to us. It is on the foundation of Kant’s theory of knowledge that Schopenhauer built the edifice of his philosophy, and it is Schopenhauer who annihilated the pragmatism of Hegel. I carried Schopenhauer’s works with me throughout the whole of the first World War. From him I learned a great deal. Schopenhauer’s pessimism, which springs partly, I think, from his own line of philosophical thought and partly from subjective feeling and the experiences of his own personal life, has been far surpassed by Nietzsche.”[1]

Was Hitler a deep thinker or a dabbler? Were his readings of the great thinkers strong or shallow, accurate or axe-grinding? Good questions, especially since he was primarily a politician and one whose theory and practice were so destructive.

But to put those questions in perspective. Can one even imagine a contemporary American politician saying:

“In the Great Hall of the Boston Library are the busts of Locke, Mill, and Rand, the greatest of our thinkers. The theory of rights is the greatest service Locke has rendered us, as the West transitioned from the Renaissance to the Enlightenment. Mill is the strongest antidote to the pragmatism of Dewey, and I carried Mill’s works with me throughout my military service in Iraq … [etc.]”?

As tempting as it is to dismiss Hitler as a crazed buffoon, one should never underestimate one’s enemies.

Source:
[1] Hitler’s Table Talk, 1941-1944, His Private Conversations. Translated by Norman Cameron and R. H. Stevens. Introduced and with a new Preface by H. R. Trevor-Roper. New York: Enigma Books, 2000, p. 720.

hitler-next-to-a-bust-of-nietzsche

Republicar “Mein Kampf” é a decisão correta?

Hitler-620x350

As autoridades alemãs permitirão a reimpressão da obra Mein Kampf (tradução oficial, Minha Luta) de Adolf Hitler, após décadas de censura.

Pessoas decentes podem argumentar que o livro é muito perigoso para ser publicado. Mas o fato é que Mein Kampf é muito perigoso para não ser publicado.

O grande medo é que as ideias de Hitler não estejam mortas e que seu livro precipite outro movimento social terrivelmente patológico. O nacionalismo e o socialismo ainda apelam a muitos. As combinações das duas ideologias atraem novos adeptos a cada dia na Europa e ao redor do mundo (veja O renascimento do nazismo na Europa — não é somente racismo).

Mein Kampf está disponível em muitas edições, em muitos idiomas e até mesmo online. Portanto, o furor relativo a sua reimpressão está mais ligado aos próprios alemães: eles podem lidar com isso?

Uma de muitas piadas antigas diz que um alemão perguntou ao outro: “Quantos poloneses são necessários para trocar uma lâmpada?” O outro alemão respondeu: “Eu não sei. Vamos invadir a Polônia para descobrir!”.mein-kampf

É sempre engraçado cutucar a reputação histórica alemã. Mas já se passaram três gerações desde o fim da II Guerra Mundial. Mudanças culturais importantes ocorreram na Alemanha com respeito ao militarismo, autoritarismo, antissemitismo e outros elementos existentes nos ideais nacional-socialistas. Existe muita evidência de que a Alemanha de hoje está muito acima da média em civilidade e decência. Isso significa que o “controle cultural” pós-nazismo pode ser abolido.

Mesmo além do caso particular da Alemanha, existe um ponto importante e geral sobre a proibição de, até mesmo, as ideias mais repulsivas: a censura enfraquece nossa habilidade de combatê-las.

Levi Salomon, palestrando para o Jewish Forum for Democracy and Against Anti-Semitism (Fórum Judaico para a Democracia e Contra o Antissemitismo, tradução livre) sediado em Berlim, opõe-se à reimpressão do livro Mein Kampf: “Esse livro está fora da lógica humana”.

Talvez isso seja verdade. Mas o livro não está fora da experiência humana. Nós devemos entender a “lógica” das crenças nacional-socialistas, não importando o quão ilógicas possam ser na realidade. Estas crenças continuam a ter um apelo psicológico e social poderoso para muitos, então é crucial que toda a geração saiba exatamente quais são, por que atraem tantas pessoas — e como combatê-las.

Os nazistas não eram somente alguns caras loucos que, por um golpe de sorte, chegaram ao poder. Por muito tempo uma visão caricatural do nacional-socialismo tomou conta da opinião pública.

Mas considere uma questão. Anos antes de os nazistas tomarem o poder, 3 vencedores do prêmio Nobel — Johannes Stark, Gerart Hauptmann e Philipp Lenard — apoiavam os nazistas.

Também antes da chegada dos nazistas ao poder, muitos intelectuais com doutorado das melhores universidades alemãs escreveram livros que apoiavam a ideologia nacional-socialista. Entre eles estavam o historiador Dr. Oswald Spengler, que publicou seu best-seller The Decline of the West (em português, A Decadência do Ocidente) em 1918. Spengler era o mais famoso intelectual alemão da década de 1920. O teórico jurista Dr. Carl Schmitt escreveu livros que ainda são reconhecidos como clássicos do século XX. O teórico e cientista político Moeller van den Bruck publicou The Third Reich (O Terceiro Reich) em 1923, o qual foi sucesso de vendas durante a década de 1920. E o filósofo Dr. Martin Heidegger, considerado por muitos como o detentor da mente filosófica mais original do século, apoiou ativamente os nazistas tanto na teoria como na prática.Nazi-Swastika-Austria

Muitos dos gênios apoiadores do nacional-socialismo eram extremamente cultos e se consideravam discípulos de George Hegel, Karl Marx e Friedrich Nietzsche — e como responsáveis pelo trabalho vital e idealista de aplicação daquelas filosofias abstratas à política do mundo real.

Então, o problema não é somente Adolf Hitler. E se formos censurar todos os escritos que levaram ao nazismo, a lista se torna longa.

Também é um fato relevante que muitos milhões de alemães votaram no Partido Nazista. Na decisiva eleição democrática de 1933, os nazistas venceram com 43% dos votos — mais que o total dos outros três partidos combinados. (Em segundo lugar, estavam os Socialistas e em terceiro, os Comunistas, o que nos fala muito do clima político e intelectual da época.)

O sucesso eleitoral dos nazistas não foi também produto de um conjunto de ideias contidas somente em livros. Na construção do seu movimento, os nazistas utilizaram princípios modernos de marketing, logística e administração. Eles aplicaram novas teorias da psicologia e da sociologia para formar um movimento central de centenas de ativistas devotos, expandindo-se a um movimento de massa de milhões de seguidores. Não obstante, não queremos censurar livros relacionados à logística aplicada, marketing ou psicologia social.

A seguir são propostas algumas perguntas difíceis: Por que tantos intelectuais concordavam com as ideias nacional-socialistas? Por que tantos voluntários, doadores e profissionais devotaram suas energias para a criação de um notável movimento político? Por que milhões de cidadãos alemães votaram — com frequência de forma entusiasta — nos nazistas? Eram todos simplesmente estúpidos / depravados / insanos?

Não, não eram. Gostando ou não do fato, o nacional-socialismo incorpora uma profunda filosofia de vida — e é isso que explica seu poder. Pode-se argumentar que a filosofia nazista não é lógica e racional. Eu concordo. Ainda assim, poucas filosofias são. Também pode-se argumentar que o nazismo, se seguido à risca, leva à psicose. Concordo novamente. Mesmo assim, isso se aplica também a muitas outras filosofias.

Mas tampouco é lógico, racional ou sadio ignorar um conjunto de ideias que continua a inspirar movimentos ao redor do mundo. Suprimir ideias perigosas é muito mais perigoso que lutar contra elas abertamente.nuremberg_party_rallies_gallery_main_2

Uma sociedade livre pode funcionar somente se a maioria de seus membros entender quais os princípios que a norteiam e a razão pela qual são melhores que as alternativas. Isso pressupõe que eles sabem quais são alternativas, obviamente.

Portanto, não existem atalhos em nossa educação cultural continuada. Todas as gerações devem discutir e debater as grandes ideias — verdadeiras ou falsas, conhecidas e possíveis, saudáveis ou perigosas — tornando-se intelectualmente preparadas para defender e expandir a civilização liberal.

Às vezes, o impulso à censura foca no simbolismo de permitir que livros malignos sejam publicados. Não censurar Minha Luta, por exemplo, é uma declaração, pelas autoridades, de que consideram as ideias nacional-socialistas dentro do limite da opinião aceitável.

Contudo, nós deveríamos lembrar que a sociedade livre rejeita a ideia de que é função das autoridades decidirem quais opiniões são aceitáveis. Esse é nosso trabalho, de cada um de nós, individualmente.

Em sua opinião dissidente em um caso clássico de censura americana, o juiz Potter Steward fez uma observação pertinente: “A censura reflete a falta de confiança de uma sociedade em si mesma”.

Existe um importante simbolismo intrínseco ao encorajamento da livre expressão: nós podemos lidar com isso.

Então, vamos fortalecer tal autoconfiança. Nós temos a inteligência e o caráter para lidar com os Hitlers potenciais, assim como seus talentosos teóricos.

* * *

hicks-stephen-2013“Republicar “Mein Kampf” é a decisão correta?” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Russ Silva. Artigo Original no “The Good Life”. Visite EveryJoe.com para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo e Nietzsche and the Nazis.

O renascimento do nazismo na Europa – não é somente racismo

golden_dawn-620x350

Um antigo fantasma está novamente assombrando a Europa — movimentos e partidos políticos neofascistas e neonazistas estão voltando à tona.

Essa reportagem no The Guardian destaca um aumento nos ataques aos judeus na França, Alemanha e Holanda. Mais ao leste e ao sul, partidos simpatizantes ao nazismo estão crescendo nas urnas em países como Hungria e Grécia, como relata essa reportagem do New York Times, acompanhada por ofensas verbais e violência física de seus defensores a imigrantes asiáticos e africanos.

É tudo muito repugnante e desanimador. Mas existem forças poderosas em ação que aqueles de nós que defendem liberdade, individualismo e tolerância devem compreender de forma a ser capaz de responder de forma precisa e decisiva.Golden Dawn rally

Nessas reportagens, foca-se no racismo. Na Grécia, por exemplo, os partidários da Aurora Dourada, que agora possuem representantes no parlamento, expressaram seu desejo de “livrar o país da sujeira”.

Mais precisamente, todavia, as reportagens deveriam focar no etnocentrismo. A hostilidade é, às vezes, direcionadas a indivíduos por causa da cor de sua pele, contudo, na maioria das vezes, ela é focada na religião, nacionalidade ou condição financeira, todas as quais perpassam muitas categorias raciais. Ver indivíduos como membros permutáveis de grupos raciais é uma parte do problema, mas tratar indivíduos primeiramente como membros de grupos étnicos é outra parte importante. Tanto o coletivismo biológico como o cultural estão em ação.

A maioria das reportagens, infelizmente, deixa escapar grande parte do fenômeno. Uma dica disso é que os partidos neofacistas são normalmente rotulados de partidos de “extrema direita” ou de “direita radical”, como o foram pelos jornalistas do The Guardian e do New York Times. E é aí onde a forma amplamente descreditada de expor o espectro político (direita x esquerda) e a falta de pesquisa geram muitos problemas para os jornalistas.

Veja o manifesto da Aurora Dourada, por exemplo, como declarado por um dos seus articulistas. Leia, atentamente, o ponto 8. De forma clara, em inglês e grego, afirma:

“O Estado deveria ter controle sob a propriedade privada de forma que ela não seja perigosa para a sobrevivência do povo ou que possa manipulá-lo. A economia deveria ser planificada de forma que sirva à política nacional e assegure a máxima autossuficiência sem dependência do mercado internacional e controle de qualquer companhia multinacional”.

Resumido em quatro subpontos:

1. Controle estatal da propriedade privada
2. Uma economia planificada
3. Isolamento dos mercados internacionais de capital, bens e talentos.
4. Empresas estrangeiras não são permitidas ou estão sujeitas a controles adicionais.

Todos os pontos supracitados são profundamente anticapitalistas e parte de uma longa tradição do socialismo – o outro socialismo, isto é: o nacional-socialismo. Como os autores do manifesto deixam claro no primeiro ponto, os integrantes da Aurora Dourada “opõem-se ao internacionalismo comunista e ao liberalismo universal”.

É claro, o “nacional-socialismo” nos remete a Adolf Hitler e Benito Mussolini e nos força a refletir sobre as lições da história. Aquela história está viva na mein-kampf-cover-1Grécia, os apoiadores da Aurora Dourada saudaram Hitler e cantaram a música Horst Wessel na parte de fora do parlamento em Atenas, e a hashtag #Hitlerwasright (tradução livre, #Hitlerestavacerto) hoje disfruta de muitas curtidas no Twitter. (E, incidentalmente, o livro A Minha Luta de Hitler foi um best-seller na Turquia em 2005).

Uma noção particular de identidade humana e uma noção particular de economia são ambas relevantes ao nacional-socialismo. E de acordo com seus defensores, existem conexões claras e fundamentais entre as duas. Podemos discordar, mas para entendê-las, não podemos ignorar a persistência dessa prática e sua contínua popularidade.

Volte à década de 1920, quando o Partido dos Trabalhadores Alemães, como era então chamado, e seu líder Adolf Hitler anunciou seu novo programa e a troca de nome para Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (PNSTA). O programa do PNSTA listou 25 pontos: 14 dos 25 pontos relacionam as demandas econômicas socialistas. Essas incluem a nacionalização das indústrias, o confisco estatal de terras, a assistência social, previdência, educação e saúde providas pelo Estado, a abolição da cobrança de juros e da especulação de mercado, e assim por diante.

Em discursos e panfletos, Hitler e Goebbels atacam regularmente o capitalismo de livre mercado e endossavam o socialismo.

O discurso a seguir foi feito por Adolf Hitler em 1927:

“Nós somos socialistas, nós somos inimigos do sistema econômico capitalista atual que explora os economicamente mais fracos, com seus salários injustos, com sua avaliação imprópria do ser humano com base na riqueza e propriedade ao invés da responsabilidade e do desempenho, e nós estamos totalmente determinados a destruir esse sistema de todas as formas”.

Esse é um panfleto escrito por Joseph Goebbels em 1932, com retórica inspirada diretamente de um dos seus heróis intelectuais, Karl Marx:

“O trabalhador em um estado capitalista — e esse é o seu pior infortúnio — não é mais um ser humano ativo e criador. Ele torna-se uma máquina. Um número, uma peça na engrenagem que não tem sentido ou conhecimento. Ele está alienado do que produz”.

Sim, os nazistas eram racistas e etnocêntricos, mas eram também socialistas. (Propaganda comercial: eu discuto o socialismo do nacional-socialismo em detalhes no meu livro e documentário Nietzsche and the Nazis (Nietzsche e os Nazistas em tradução livre, sem versão em português)).

mussolini-militaryO mesmo se aplica à variante fascista. Benito Mussolini foi um socialista ortodoxo do tipo marxista de sua juventude até seus 30 anos. Ele se filiou ao Partido Socialista Italiano, uniu-se aos sindicatos para organizar os trabalhadores, e escreveu panfletos exortando uma revolução violenta.

A 1ª Guerra Mundial e a leitura das obras de Friedrich Nietzsche provocaram a ruptura de Mussolini com o marxismo. Ele foi surpreendido pelo intenso fervor nacionalista despertado pela guerra: os seres humanos são mais movidos, Mussolini julgou, não pela união mundial da classe trabalhadora, mas sim por sua identidade étnica como italianos, alemães e russos. Portanto, a causa socialista tinha que ser reformulada em termos nacionalistas para ter êxito na Itália.

O que Mussolini concluiu de sua leitura de Nietzsche era que o socialismo não poderia esperar pelo levante das massas — era necessário um forte líder que o implantasse de cima para baixo.

O fascismo de Mussolini seria o socialismo para os Italianos, assim como o nazismo de Hitler seria o socialismo para os alemães. Mussolini afirma, em 1932: “com respeito às doutrinas liberais, a posição do fascismo é de oposição absoluta tanto no campo político quanto no econômico” (ênfase do autor).

A Aurora Dourada e os outros são os herdeiros ideológicos de Hitler e Mussolini. Existe uma conexão orgânica entre o fascismo/nazismo do início do século XX e o fascismo/nazismo do início do século XXI. Seus defensores tentaram sempre levar tanto o nacionalismo quanto o socialismo à sério.

Isso quer dizer que eles levam o coletivismo a sério. O racismo e o etnocentrismo são o coletivismo aplicado à identidade humana: você não é, em primeiro lugar, um indivíduo, eles dizem, mas o membro de um grupo. E o socialismo é o coletivismo aplicado à ação humana: você não é um agente econômico livre, mas sim, um ativo pertencente à sociedade. Uma resposta efetiva ao triste fenômeno do neofascismo na Europa deve tratar desses dois elementos.

O antídoto para o coletivismo é o individualismo: os indivíduos são, em primeiro lugar, indivíduos, e eles deveriam julgar a si e aos outros, principalmente, em termos de suas crenças, caráter e ações individuais. E os indivíduos são agentes que deveriam ser livres para traçar seus próprios caminhos na vida pessoal e profissional.

* * *

hicks-stephen-2013“O renascimento do nazismo na Europa – não é somente racismo.” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Russ Silva. Artigo Original no “The Good Life”. Visite EveryJoe.com para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo: Ceticismo e socialismo de Rousseau a Foucault e Nietzsche and the Nazis.