Texts in Philosophy — late 2014 additions

know-thyself-235x100For use in my courses, additions to my Texts in Philosophy page. All files are PDFs.

* Robert Nozick, “The Tale of the Slave”, from Anarchy, State, and Utopia.

* Aristotle, Poetics.

* Tom Beauchamp, case studies on “Hooker Chemical and Love Canal” and “Venture Capital for Rubbernex”.

* Immanuel Kant, excerpts from Book II of Critique of Judgment, Analytic of the Sublime, Sections 23, 26, and 28.

Posted in Philosophy | Leave a comment

Lewis Thomas’s classic “Notes on Punctuation”

Notes on Punctuation

By Lewis Thomas*

There are no precise rules about punctuation (Fowler lays out some general advice (as best he can under the complex circumstances of English prose (he points out, for example, that we possess only four stops (the comma, the semicolon, the colon and the period (the question mark and exclamation point are not, strictly speaking, stops; they are indicators of tone (oddly enough, the Greeks employed the semicolon for their question mark (it produces a strange sensation to read a Greek sentence which is a straightforward question: Why weepest thou; (instead of Why weepest thou? (and, of course, there are parentheses (which are surely a kind of punctuation making this whole matter much more complicated by having to count up the left-handed parentheses in order to be sure of closing with the right number (but if the parentheses were left out, with nothing to work with but the stops we would have considerably more flexibility in the deploying of layers of meaning than if we tried to separate all the clauses by physical barriers (and in the latter case, while we might have more precision and exactitude for our meaning, we would lose the essential flavor of language, which is its wonderful ambiguity )))))))))))).

The commas are the most useful and usable of all the stops. It is highly important to put them in place as you go along. If you try to come back after doing a paragraph and stick them in the various spots that tempt you you will discover that they tend to swarm like minnows in all sorts of crevices whose existence you hadn’t realized and before you know it the whole long sentence becomes immobilized and lashed up squirming in commas. Better to use them sparingly, and with affection, precisely when the need for each one arises, nicely, by itself.

I have grown fond of semicolons in recent years. The semicolon tells you that there is still some question about the preceding full sentence; something needs to be added; it reminds you sometimes of the Greek usage. It is almost always a greater pleasure to come across a semicolon than a period. The period tells you that that is that; if you didn’t get all the meaning you wanted or expected, anyway you got all the writer intended to parcel out and now you have to move along. But with a semicolon there you get a pleasant little feeling of expectancy; there is more to come; to read on; it will get clearer.

Colons are a lot less attractive for several reasons: firstly, they give you the feeling of being rather ordered around, or at least having your nose pointed in a direction you might not be inclined to take if left to yourself, and, secondly, you suspect you’re in for one of those sentences that will be labeling the points to be made: firstly, secondly and so forth, with the implication that you haven’t sense enough to keep track of a sequence of notions without having them numbered. Also, many writers use this system loosely and incompletely, starting out with number one and number two as though counting off on their fingers but then going on and on without the succession of labels you’ve been led to expect, leaving you floundering about searching for the ninethly or seventeenthly that ought to be there but isn’t.

Exclamation points are the most irritating of all. Look! they say, look at what I just said! How amazing is my thought! It is like being forced to watch someone else’s small child jumping up and down crazily in the center of the living room shouting to attract attention. If a sentence really has something of importance to say, something quite remarkable, it doesn’t need a mark to point it out. And if it is really, after all, a banal sentence needing more zing, the exclamation point simply emphasizes its banality!

Quotation marks should be used honestly and sparingly, when there is a genuine quotation at hand, and it is necessary to be very rigorous about the words enclosed by the marks. If something is to be quoted, the exact words must be used. If part of it must be left out because of space limitations, it is good manners to insert three dots to indicate the omission, but it is unethical to do this if it means connecting two thoughts which the original author did not intend to have tied together. Above all, quotation marks should not be used for ideas that you’d like to disown, things in the air so to speak. Nor should they be put in place around clichés; if you want to use a cliché you must take full responsibility for it yourself and not try to fob it off on anon., or on society. The most objectionable misuse of quotation marks, but one which illustrates the danger of misuse in ordinary prose, is seen in advertising, especially in advertisements for small restaurants, for example “just around the corner,” or “a good place to eat.” No single, identifiable, citable person ever really said, for the record, “just around the corner,” much less “a good place to eat,” least likely of all for restaurants of the type that use this type of prose.

The dash is a handy device, informal and essentially playful, telling you that you’re about to take off on a different tack but still in some way connected with the present course — only you have to remember that the dash is there, and either put a second dash at the end of the notion to let the reader know that he’s back on course, or else end the sentence, as here, with a period.

The greatest danger in punctuation is for poetry. Here it is necessary to be as economical and parsimonious with commas and periods as with the words themselves, and any marks that seem to carry their own subtle meanings, like dashes and little rows of periods, even semicolons and question marks, should be left out altogether rather than inserted to clog up the thing with ambiguity. A single exclamation point in a poem, no matter what else the poem has to say, is enough to destroy the whole work.

The things I like best in T. S. Eliot’s poetry, especially in the Four Quartets, are the semicolons. You cannot hear them, but they are there, laying out the connections between the images and the ideas. Sometimes you get a glimpse of a semicolon coming, a few lines farther on, and it is like climbing a steep path through woods and seeing a wooden bench just at a bend in the road ahead, a place where you can expect to sit for a moment, catching your breath.

Commas can’t do this sort of thing; they can only tell you how the different parts of a complicated thought are to be fitted together, but you can’t sit, not even to take a breath, just because of a comma,

* From The Medusa and the Snail: More Notes of a Biology Watcher (1979), pp. 103-6. Here’s a PDF version.

Posted in Humor, Language | Tagged , | Leave a comment

Nosso problema com Che Guevara

cheguevara-620x350

Há boas chances de que você conheça alguém que possui uma camiseta de Che Guevara. Versões romantizadas de sua cara barbuda são populares nos campi e em outros lugares — tão popular que a rede de lojas Urban Outfitters planejava lançar uma linha completa de itens de moda inspirada em Che, e dezenas de outros websites oferecem uma ampla variedade de acessórios.

Guevara foi um guerrilheiro marxista que nasceu na Argentina, recebeu o cargo de ministro da economia na Cuba de Fidel Castro, e foi morto em combate contra soldados bolivianos.

Mas aqui está o mistério. Na vida real, Guevara foi um carcereiro, torturador e assassino. Sem discriminar gênero, idade, cor ou qualquer outro atributo — defensores da liberdade de expressão, homossexuais, religiosos ou rockeiros, empresários ou inimigos ideológicos — ele favorecia a prisão, tortura e assassinato de todos.

“Para matar um homem”, Che certa vez disse, “não necessitamos de prova de culpa”. Nos primeiros dias da revolução cubana, Che escreveu ao seu pai sobre quando atirou em uma guerrilha camponesa: “Eu gostaria de confessar, pai, que naquele momento descobri que eu realmente gostava de matar”. Grande parte da história é muito triste.

Então, como um assassino se tornou um ícone da moda?

É uma situação tragicômica — e talvez inspirada pelo capitalismo da moda praticado nos Estados Unidos — uma empresa estatal cubana recentemente anunciou planos de lançamento de uma linha de perfumes “Ernesto” e “Hugo” em honra de Che Guevara e do agora falecido ditador socialista Hugo Chavez. O plano foi derrubado por autoridades do governo e punições apropriadas estão sendo estudadas para pessoas que sugerirem algo tão insultante no futuro.che-guevara-statue-unveiling

Menos surpreendente, em 2008 uma estátua heroica de 3,5 metros de altura foi erguida na sua cidade natal, Rosário, na Argentina.

De volta aos Estados Unidos, a guerra cultura continua com produtos anti-Che tais como uma camiseta com a imagem de Adolf Hitler e a legenda “Minha camiseta do Che está na lavanderia”. Ou camisetas com a imagem e uma legenda sútil “Minha outra camiseta é do Hitler”.

A questão, obviamente, é que ninguém pensaria em usar um assassino nazista para fazer um fashion statement. Ou talvez não nos estranhos dias de hoje — com o ressurgimento da iconografia nazista em alguns círculos. Notavelmente, a Urban Outfitters decidiu abandonar sua linha Che em resposta aos protestos da comunidade cubano-americana e a esta carta aberta, publicada no The Huffington Post por Thor Halvorssen da Human Rights Foundation (Fundação pelos Direitos Humanos, tradução livre).

(Eu até gosto da ironia afiada das ideias do perfume e da “camisa na lavanderia”, todavia, pois Che raramente tomava banho, de acordo com os relatos dos seus companheiros).

O problema não é tanto Che Guevara em si — ele já morreu há mais de meio século. O problema é que o legado e o simbolismo de Che, o qual tem um poder nas mentes e corações de uma subcultura de jovens já por duas gerações. Os fatos sobre a brutalidade de Che são conhecidos, porém, o poder da lenda e do mito frequentemente supera o poder dos fatos. E na nossa cultura “de mercado” da liberdade de expressão, sempre haverá um mercado para aqueles que desejam produtos anti-mercado e anti-liberdade. O tamanho do mercado é um indicador cultural que vale a pena acompanhar.Che-Guevara-Jay-Z

Para alguns, Che é um símbolo da revolução socialista. Para outros, ele representa ‘revolução’ em um sentido mais vago. Ou, simplesmente por simbolizar a luta contra o status quo. Para outros ainda, Che significa ser um mártir relativamente jovem por uma causa. Para analistas (de moda) sofisticados, a mercadoria de Che é brega — uma declaração banal de jovens mimados que querem aparecer e, como bônus, chocar seus pais e outros chatos (ver a gíria para square).

Mas em todas as suas variantes, o simbolismo de Che é uma declaração de como uma contracultura se vê.

O livro de viagem Chasing Che, de Patrick Symmes é, para mim, o melhor exemplo. Symmes é um homem ponderado da eclética esquerda, ele foi inspirado a recriar parte da jornada de Che por diversos países da América do Sul. Che começou sua jornada em uma motocicleta, mas tal como o ministério da economia de Cuba que posteriormente administrou, a motocicleta quebrou e Che não sabia muito sobre como consertá-la. Che e seu companheiro de viagem, Alberto Granado, então seguiram o seu caminho aos trancos e barrancos. Symmes, pelo contrário, era organizado e sabia como manter sua motocicleta BMW — e levou consigo seu bem treinado olho jornalístico para contar uma boa história dos povos e países que encontrou em sua jornada junto com o caminho de Che da Argentina ao Chile e Peru.

Porém, você mal descobriria por Symmes – somente nas páginas finais do livro – que Guevara torturou e matou de forma indiscriminada. Em vez disso, há um retrato delicado de um jovem em uma missão de autodescoberta e reforma social. Existe uma simpatia genuína pela impotência e apropriada indignação das injustiças feitas por governos poderosos e seus apadrinhados, junto com uma sensação adjacente de que a brutalidade de Che foi talvez uma resposta perdoável. E temos uma forte impressão de que a única alternativa ao semifeudalismo da América Latina é algum tipo de socialismo igualitarista.hitler-che-laundry-tshirt

Tudo isso sugere que nosso problema com Che é realmente de cunho filosófico. Não é somente o fato de que Guevara era um ativista bem letrado nos autores socialistas – Jean-Paul Sartre, Bertrand Russell, Friedrich Nietzsche, e é claro, Karl Marx e Friedrich Engels. É que todos nós, desde Che, estamos discutindo a significância abstrata de seu legado. O que é verdade e o que é mito? Quais ideais e males estão em jogo? E, como a batalha da moda demonstra — o que é moderno e descolado? Isso significa, utilizando o jargão filosófico, que a batalha de Che trata de epistemologia, ética e estética.

Expondo de outra forma: o problema não é Che Guevara, mas sim o Che Guevar-ismo.
Se quisermos nos livrar, algum dia, dos pesadelos do socialismo no século XX e evitar que se repitam no XXI, então maior conhecimento do real Che é fundamental para responder à sua purificação e mitificação. No entanto, o mais importante é combater suas ideias filosóficas que levaram um jovem tão vigoroso como Ernesto Guevara Lynch a tal caminho violento e destrutivo.

Se quisermos nos livrar, algum dia, dos pesadelos do socialismo no século XX e evitar que se repitam no XXI, então maior conhecimento do real Che é fundamental para responder à sua purificação e mitificação. No entanto, o mais importante é combater suas ideias filosóficas que levaram um jovem tão vigoroso como Ernesto Guevara Lynch a tal caminho violento e destrutivo.

* * *

hicks-stephen-2013“Nosso problema com Che Guevara.” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Russ Silva. Artigo Original no “The Good Life”. Visite EveryJoe.com para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo e Nietzsche and the Nazis.

Posted in Culture, Philosophy, Politics | Tagged , , | Leave a comment

Will the Real Scrooge Please Stand Up? [new The Good Life column]

The opening of my latest column at EveryJoe:

“We all know the tale of Ebenezer Scrooge. Or do we?

“Charles Dickens’ A Christmas Carol has generated an astonishing variety of interpretations, and as with most rich tales the interpretations often tell us as much about the interpreter as the original story.

“The legend of Robin Hood is a good example. Was the outlaw of Sherwood Forest someone who robbed from the rich and gave to the poor? In that interpretation, the rich are bad and undeserving and the poor are good and deserving, so Robin Hood’s compulsory redistribution efforts make him a kind of Christian Socialist. Or was Robin Hood really taking back monies that had been confiscated by an oppressive government of aristocrats and their cronies – and returning them to those who had produced the wealth in the first place? That makes him a proto-capitalist defender of property rights, limited government, and fair taxes. We do not know the real Robin Hood, as the legend’s origins are lost in the mists of medieval times.

“With Dickens’ Scrooge, though, we actually have a text to refer to. But that has not stopped a flood of alternative interpretations of the complicated central character…” [Read more here.]

the-good-life-scrooge

Last week’s column: The Most Important Artist of the Century.

Posted in Philosophy | Leave a comment

Onde estão os economistas de livre mercado que causaram a crise financeira?

krugman1-620x350

Um meme comum sobre a crise financeira culpa o capitalismo descontrolado e responsabiliza a ascensão do fundamentalismo de livre mercado entre os economistas como responsável pelo aumento da ganância. De acordo com o esse argumento, os economistas acadêmicos são, em grande parte, liberais. Eles convenceram os políticos a desregulamentarem setores importantes da economia norte-americana, de modo que os capitalistas selvagens engajaram-se no frenesi que levou ao colapso. Vamos chamar aquele meme de “A Narrativa”.

Alguns elementos pequenos d´A Narrativa são verdadeiros: existem alguns economistas de livre mercado, houve algumas desregulamentações e alguns capitalistas se comportarem mal.

Contudo, agora vamos somente focar em um elemento da história — a afirmação de que grande proporção dos economistas profissionais pertence à vertente de livre mercado. Paul Krugman, por exemplo — o prêmio Nobel, escritor de sucesso, professor da Ivy League e grande representante d´A Narrativa — acredita que isso seja verdade e no New York Times recentemente culpou os economistas de permitirem “a dominância de uma visão idealizada do capitalismo, na qual os indivíduos sempre são racionais e os mercados sempre funcionam perfeitamente”.

De que forma descobrimos quais as crenças que dominam o pensamento dos economistas? Bem, poderíamos simplesmente pergunta-los, como os professores Daniel Klein e Charlotta Stern fizeram em 2007:AmericanEconomicAssociationLogo

“Nós avaliamos os membros da American Economic Association (associação dos economistas dos Estados Unidos) e pedimos suas opiniões sobre 18 formas específicas de intervenção governamental. Nós concluímos que 8% dos membros da AEA podem ser considerados defensores dos princípios de livre mercado, e que menos que 3% podem ser chamados de fortes defensores. Os dados são discriminados por comportamento eleitoral (democrata ou republicano). Mesmo o membro republicano médio da AEA é meio-termo não de livre mercado”.

(Note que o estudo foi publicado em 2007 e, portanto, reflete as opiniões dos economistas antes que a crise se tornasse aparente).

Então, se estou analisando os resultados corretamente, menos que 1 em cada 10 economistas norte-americanos são de livre mercado. Em contraste, 92% são meio-termo, defensores de intervenção significativa do governo na economia, ou, simplesmente, socialistas assumidos. Tal fato se constitui num mistério para A Narrativa: como uma ínfima porcentagem de economistas de livre mercado poderia ter exercido tanto poder?

Um mistério ainda maior surge quando consideramos a Europa. Igualmente, a crise financeira foi e é um fenômeno europeu, incluindo problemas severos na Itália, Espanha, Grécia, Irlanda e outras nações. Mas alguém acredita que economistas espanhóis e gregos são ideologicamente mais liberais do que os norte-americanos? Eu acho que não. Ainda assim, para acreditar n´A Narrativa, teríamos que acreditar que um número ainda menor de economistas europeus de livre mercado fosse capaz de exercer grande influência.

Há uma longa e importante história aqui, mas — contrário à Narrativa — por mais de um século, o pensamento de livre mercado tem tido uma posição minoritária entre os economistas. Seguem alguns dados relevantes:

Retorne ao final do século XIX, antes que as universidades norte-americanas começassem a oferecer Ph.D. em economia. A maioria dos economistas aspirantes se dirigia a universidades alemãs para seus estudos avançados. O ensino econômico na Alemanha era amplamente dominado por socialistas e outros pensadores antimercado. Esses jovens estudantes levaram essas ideias para casa. No seu retorno, alguns foram inspirados a criar a AEA em 1885. Os três fundadores da AEA — Richard Ely, Edwin Seligman e Simon Patten — obtiveram seus títulos na Alemanha, os três eram opostos ao capitalismo de livre mercado, e viram o objetivo da AEA como ideológico — enfraquecer o capitalismo de livre mercado na teoria e na prática. Ely tornou-se posteriormente, na Universidade John Hopkins, o professor influente do futuro presidente democrata, Woodrow Wilson. Para obter mais informações, recomendo a obra The Clash of Economic Ideas (Cambridge University Press, 2012), escrito pelo historiador econômico Lawrence White.new-deal

Avance uma geração até a 1ª Guerra Mundial e sua economia planificada de guerra. A maioria dos economistas apoiou a iniciativa entusiasticamente, como fariam na geração posterior na 2ª Guerra Mundial.

No período entre guerras, houve a Grande Depressão e o New Deal de Franklin Delano Roosevelt, com seus cartéis e monopólios estruturados pelo governo. A maioria dos economistas apoiaram as iniciativas em direção a uma economia planificada.

Rex Tugwell, economista da Universidade de Columbia, é um ótimo exemplo. Chefe do “Brain Trust” (tradução livre, assessores de confiança) de Roosevelt, Tugwell era um grande admirador dos regimes fascista de Mussolini e comunista de Stalin. Em uma viagem a Roma em 1934, Tugwell escreveu no seu diário que o regime de Mussolini estava “fazendo muitas coisas que a mim pareciam necessárias” e era “o mais limpo, puro e eficiente exemplo de engenharia social que já vi. Causa-me inveja”. Alguns anos antes, em 1927, Tugwell também tinha visitado a União Soviética. Ele ficou tão impressionado com o que viu que escreveu uma série de artigos acadêmicos, nos quais defendia vários métodos comunistas e recomendava sua adoção nos Estados Unidos. Novamente, veja o livro de White para maiores detalhes.

A economia do pós-2ª Guerra Mundial foi moldada pelo economista John Maynard Keynes, da Universidade de Cambridge. Keynes argumentou, de forma persuasiva para a maioria dos economistas, que os governos deveriam controlar ativamente as taxas de juros, a politica monetária, os salários, os gastos governamentais com a dívida e muito mais, de forma a administrar os altos e baixos da economia.

As ideias de Keynes dominaram completamente a profissão econômica por décadas que a declaração do presidente Richard Nixon em 1971, quando tirou os Estados Unidos do padrão-ouro — “Nós somos todos keynesianos agora” — capturou uma verdade importante.

E hoje, na geração seguinte, a visão majoritária da classe dos economistas é informada pelos professores Klein e Stern.0 R

Então, onde estão todos os economistas de livre mercado que tem supostamente ditado as políticas econômicas? Obviamente, alguns deles se destacaram na mídia como Milton Friedman e Friedrich Hayek. No entanto, em grande parte, são desconhecidos e servem de bodes expiatórios em uma profissão que amplamente discorda de suas opiniões.

A verdade é que a maioria dos economistas é intervencionista. Eles defendem uma mescla de livre mercado e controle governamental. Poucos economistas em qualquer das extremidades do espectro são defensores ferrenhos dos mercados livres ou do controle total dos governos. Mas quando 90% dos economistas são, de modo geral, favoráveis à intervenção governamental, enquanto 10% deles são, de modo geral, opostos a ela, então há grandes chances de que as recomendações de políticas tenderão ao aumento do controle estatal da economia. Essa tem sido a trajetória há muitos anos.

A constatação fundamental é a de que, quando analisamos trapalhadas como a crise financeira que começou em 2007, nosso ponto de partida deveria ser o reconhecimento de que nossa economia tem elementos de livre mercado com doses pesadas de regulação governamental. Assim, desde o principio, dever-se-ia deixar aberta a questão da culpa pela crise, seja ela causada pelos elementos de livre mercado, as regulações governamentais ou uma mescla disfuncional das duas.

Eu tenho minhas dúvidas, mas a primeira hipótese a ser rejeitada deveria ser a d´A Narrativa. Se é que existe um culpado, o oposto me parece mais plausível — que o erro foi cometido por muitos economistas que defendem os retoques, ajustes e o controle direto de setores críticos da economia.

* * *

hicks-stephen-2013“Onde estão os economistas de livre mercado que causaram a crise financeira?” Por Stephen Hicks. Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Russ Silva. Artigo Original no “The Good Life”.
Visite EveryJoe.com para ler os últimos artigos de Stephen Hicks.

Stephen Hicks é o autor do livro Explicando o Pós Modernismo e Nietzsche and the Nazis.

Posted in Economics, Philosophy | Tagged , , , , | Leave a comment

Update: my publications in Education

apple-132x75I’ve updated the Education page to include recent publications, lectures, and posts.

Posted in Education | Leave a comment

The Most Important Artist of the Century [new The Good Life column]

The opening of my latest column at EveryJoe:

“A survey asked our generation’s leading artists and critics to identify the most influential artist of the twentieth century. Who won? If you guessed Pablo Picasso — nice try, but he came in second.

“Before identifying the survey’s winner, let’s ask why it matters who topped the list.

“Any generation’s top artists and critics have much cultural power. They decide what kind of art we will experience for the rest of our lives. They make the art and display it to us. They tell us what it means and what we should try to experience. Some sit on committees that make grants and awards to encourage the kind of art that they think is most worthy. Their judgments allocate prestigious gallery and museum space and influence who commands the big money at art auctions. Many are also professors of art who shape the thinking of students who will go on to become the critics, designers, and artists who will shape our aesthetic for decades to come.

“So their pronouncements about which artists we should most learn from are of great cultural significance.

“And the survey’s winner is …” [Read more here.]

the-good-life-duchamp

Last week’s column: Do We Really Live in a World of Scarce Resources?

Posted in Art, Philosophy, The Good Life | 1 Comment

Hindi translation of Explaining Postmodernism in the works

I’m happy to announce that there will be ahindi Hindi translation of Explaining Postmodernism: Skepticism and Socialism from Rousseau to Foucault. The translator, Dr. Kaptan Singh, is now working on the manuscript, and publication will likely be early in 2016.

As there are an estimated 830 million native Hindi speakers, I am especially pleased that my book will be available to them.

Posted in News | Tagged | 4 Comments